Ânsia

Há pequenas coisas que atiçam o amor
Que nos dão um grande desejo de amar
Uma enorme ânsia de sofrer...


Amantes

Vem!
Vem comigo
Cansados de Amor
Mergulhemos juntos na noite
no silêncio dos Amantes
Amor Amor Amor
Repete comigo
as palavras que nos dão paz...


®Pôesia do Mundo

A minha foto
Le Vésinet, Yvelines, France
É impossível não se dizer ( no mínimo de letras ) e, ao mesmo tempo, em que não se pode tudo dizer ( no máximo de palavras ). Falar demais: È escancarar detalhes insignificantes da vida doméstica. A minha vida sustenta-se no diário de algumas palavras: Trabalho, Respeito, Ternura, Amizade, Saudades, Amor. PEQUENOS VALORES Viver é acreditar no nascer e no pôr-do-sol É ter esperança de que o amanhã será sempre o melhor É renascer a cada dia É aprender a crescer a cada momento É acreditar no amor É inventar a própria vida... No decorrer desta vida, o prazer, a alegria, a tristeza,a dor, o amor, desfilam em nossa alma e em nosso coração deixando diferentes marcas. São essas marcas combinadas que formam a riqueza da nossa caminhada. Um caminho onde o mais importante não é chegar e sim caminhar. Valorize todos os detalhes, todas as subidas e descidas, as pedras, as curvas, o silêncio, a brisa e as montanhas deste seu caminho, para que você possa dizer de cabeça erguida, no futuro: Cresci Chorei Sorri Caí Levantei Aprendi Amei Fui Amado Perdi Venci Vivi E, principalmente, sou uma pessoa feliz!




quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Confissão dos Olhos


Confissão dos Olhos




Confissão dos Olhos
Na sala, muita vez, junto aos que estão contigo,
Noto entrando que ao ver-me, entre surpresa e enleio.

Ficas, como se acaso um sofrimento antigo
Eu te viesse acordar lá no íntimo do seio.

Por que enleio e surpresa?

Olham-te, e empalideces;
Pões a vista no chão, fazes que desconheces
Estar ao pé de ti quem te perturba; acaso
Vais distraída; aqui tocas a flor de um vaso,
Ali de um velho quadro atentas na gravura;

Achegas-te à janela, olhas a tarde pura,
Voltas. De face então vês-me a estremecer.
Quase

Disseste o que dizer te anseia há muito; a frase
Íntima, breve e ardente, em teu lábio purpúreo
Aflou num palpitar, fez ouvir um murmúrio,

Mas refluiu...

Em torno atentos te encaravam.

Foi quando para mim teus grandes olhos voaram,
Voaram, vieram, assim como do firmamento
Duas estrelas, e a alma unindo a um pensamento
Único, em fluido a escoar dos raios de ouro em molhos,
Somem-se em mudo assombro, abismam-se em meus olhos.

E em minh'alma, lá dentro, eu sinto então, querida,
Que eles deixam cair, no ardor em que me inflamo,

Ah!

E com que calor, com que sede de vida!

Letra a letra, a tremer, o teu segredo:


Eu te amo!



Alberto de Oliveira

4 comentários:

Fatima disse...

Tb falei sobre olhar hoje lá no blog.
Bjs.

Andréa Alvares disse...

Um olhar para quem entende diz tudo..........

Rosemildo Sales Furtado disse...

Meu caro António, que belo poema do Alberto de Oliveira, foste muito feliz quando na escolha. Parabéns!

Que DEUS te abençôe e tenhas um excelente final de semana com muita paz.

Abraços,

Furtado.

rouxinol de Bernardim disse...

Alberto de Oliveira, a qualidade se casando bem com o sentido estético!

Gostei do poema e do blog em geral! Parabéns!