Ânsia

Há pequenas coisas que atiçam o amor
Que nos dão um grande desejo de amar
Uma enorme ânsia de sofrer...


Amantes

Vem!
Vem comigo
Cansados de Amor
Mergulhemos juntos na noite
no silêncio dos Amantes
Amor Amor Amor
Repete comigo
as palavras que nos dão paz...


®Pôesia do Mundo

A minha foto
Le Vésinet, Yvelines, France
É impossível não se dizer ( no mínimo de letras ) e, ao mesmo tempo, em que não se pode tudo dizer ( no máximo de palavras ). Falar demais: È escancarar detalhes insignificantes da vida doméstica. A minha vida sustenta-se no diário de algumas palavras: Trabalho, Respeito, Ternura, Amizade, Saudades, Amor. PEQUENOS VALORES Viver é acreditar no nascer e no pôr-do-sol É ter esperança de que o amanhã será sempre o melhor É renascer a cada dia É aprender a crescer a cada momento É acreditar no amor É inventar a própria vida... No decorrer desta vida, o prazer, a alegria, a tristeza,a dor, o amor, desfilam em nossa alma e em nosso coração deixando diferentes marcas. São essas marcas combinadas que formam a riqueza da nossa caminhada. Um caminho onde o mais importante não é chegar e sim caminhar. Valorize todos os detalhes, todas as subidas e descidas, as pedras, as curvas, o silêncio, a brisa e as montanhas deste seu caminho, para que você possa dizer de cabeça erguida, no futuro: Cresci Chorei Sorri Caí Levantei Aprendi Amei Fui Amado Perdi Venci Vivi E, principalmente, sou uma pessoa feliz!




terça-feira, 31 de agosto de 2010

Retrato da Mulher Amada


Retrato da Mulher Amada



Os longos cabelos dourados
derramados até os ombros frágeis

Um manto perfumado
emoldurando o rosto singular
de mulher e de menina.

Madeixas separadas deixando
Entrever no colo ofegante
A curva harmoniosa
dos seios pequeninos.

O pescoço esguio como a haste
da flor que é a sua face.

O queixo fino estremece
ao desabrochar do sorriso

Nos lábios de pétalas
entreabertos, separados

Na alvura dos dentes
arrumados como sementes
da romã madura e perfumada.

O pequeno nariz arrebitado
cheio de graça aspira

Na brisa vespertina
o cheiro do jasmin adocicado

O brilho dos seus olhos
é como estrelas lucilantes

E a fronte delicada se esconde

Nos caracoes pendentes
dos seus longos cabelos


Os seus braços envolventes
recobertos de suave penugem
macia como a relva

E ao toque mais sutil arrepiada.

Entrelaçados aos meus
num terno abraço aconchegados
ao peito por breve instante

Sentíamos ofegantes
o bater descompassado
dos nossos corações.

Nos reencontros marcados
com os beijos na face
um de cada lado

Como se fossem amigos
emocionados apenas
e nunca enamorados

Para sempre
em todo o tempo fluindo
em nosso fado.

Somente as mãos
são dadas de repente
na procura constante

Agarradas por entrelaçados
dedos em permanentes
cariciais, apertados
e frementes.

Beijadas subitamente
nas incontáveis despedidas
e tristes separações.


Ansiosamente esperada
a volta do dia a dia
nas saudades doloridas

De ausências prolongadas
nos caminhos diversos
de nossos desencontros

Prisioneiros de graves compromissos
E inconformados fiéis de um só destino.


Os meneios da cintura
num ritmo pausado
em desfile permanente.

As vestes marcando
as formas surpreendentes
da saia curta ajustada.

Livres as coxas longas
sinal maior de beleza
caminho sem fim a perpassar
na pele iluminada.

Na placidez do ventre
a sugestão de frutos

Praia rasa de areia molhada
inconsistente

Água clara transparente
deixando ver na concha

Entreaberta

A pérola rosada
do pingo umbelical
completando o fascínio.

Dos joelhos concentrados
às belas pernas

E a ponta dos pés pequenos
Pisando leves
quase a flutuar
a cada passo dado

Na dança do seu andar
de suave movimentos
como peixes no mar

A visão das costas
da nuca desprotegida
nos cabelos levantadas
pelas espadas nuas
sombras e suaves relevos
são revelados ao tato
nas pontas dos dedos
captantes
de múltipla sensualidade.

As linhas curvas
mais expressivas
com suas maiores
riquezas...

A cintura
as alegrias dos quadris
equilibrados

E a completa formosura
na harmonia
de tão preciosos lados
celebrados.




Carlos Eduardo da Rocha

3 comentários:

carlos pereira disse...

Bem vindo novamente ao nosso convívio.
Belo poema de amor.
Um abraço.
Carlos Pereira

Sonhadora disse...

Meu querido amigo
Já tinha saudades de passar aqui.
Um lindo poema como sempre.

Beijinhos
Sonhadora

Felina Mulher disse...

Quem é verdadeiramente poeta sabe exatamente do que fala...ameiii!

beijos.