Ânsia

Há pequenas coisas que atiçam o amor
Que nos dão um grande desejo de amar
Uma enorme ânsia de sofrer...


Amantes

Vem!
Vem comigo
Cansados de Amor
Mergulhemos juntos na noite
no silêncio dos Amantes
Amor Amor Amor
Repete comigo
as palavras que nos dão paz...


®Pôesia do Mundo

A minha foto
Le Vésinet, Yvelines, France
É impossível não se dizer ( no mínimo de letras ) e, ao mesmo tempo, em que não se pode tudo dizer ( no máximo de palavras ). Falar demais: È escancarar detalhes insignificantes da vida doméstica. A minha vida sustenta-se no diário de algumas palavras: Trabalho, Respeito, Ternura, Amizade, Saudades, Amor. PEQUENOS VALORES Viver é acreditar no nascer e no pôr-do-sol É ter esperança de que o amanhã será sempre o melhor É renascer a cada dia É aprender a crescer a cada momento É acreditar no amor É inventar a própria vida... No decorrer desta vida, o prazer, a alegria, a tristeza,a dor, o amor, desfilam em nossa alma e em nosso coração deixando diferentes marcas. São essas marcas combinadas que formam a riqueza da nossa caminhada. Um caminho onde o mais importante não é chegar e sim caminhar. Valorize todos os detalhes, todas as subidas e descidas, as pedras, as curvas, o silêncio, a brisa e as montanhas deste seu caminho, para que você possa dizer de cabeça erguida, no futuro: Cresci Chorei Sorri Caí Levantei Aprendi Amei Fui Amado Perdi Venci Vivi E, principalmente, sou uma pessoa feliz!




segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cação Para Buscar-te


Cação Para Buscar-te




Cação Para Buscar-te

Deixarei que o vento perpasse
o meu ser e dele retire
teu nome,
teu gesto,
teu vulto para que eu possa respirar.

Deixarei que as estrelas roubem
teu brilho e em seu olhar azul
prenda-o,
assim,
verei luzir
uma outra vez o meu olhar.

E deixarei que o mar te alcance
com sua voz potente e rouca
para que eu possa ouvi em mim
a minha voz,
já quase morta.

E deixarei que o tempo leve
a solidão que o teu silêncio
bordou nas fimbrias do meu ser,
naquela tarde que chovia,

E depois de tudo...

Ah!

Depois
quero ver minha alma cansada
ainda assim te procurar
sofregamente e nada,
nada,
nada de ti reencontrar.

Talvez que sabe não te achando,
desesperada,
e louca,
e tonta,
se volta pra si,
sonâmbula,
para encontrar-se,
enfim,
a sós.

Mas,
como poderei achar-me
se não estiveres em mim?

Pois é no teu caminho vago
que traço o meu destino andante
de estrela,
de rio,
de vento,
margeando sempre a solidão




Giselda Medeiros

3 comentários:

Mila disse...

...é no teu caminho vago
que traço o meu destino andante...
Sempre é assim quando amamos.
Bjs Antònio
Mila Lopes

Rosemildo Sales Furtado disse...

Passar por aqui é bastante gratificante, pois sempre encontramos belas escolhas. Belo poema meu amigo António, profundo e dotado de muita sensibilidade.

Abraços e ótima semana pra ti.

Furtado.

M@ria disse...

"Que o sussurrar do vento te leve um beijo carinhoso e eterno e me deixe em seus pensamentos para que a distância não apague em ti minha existência."

(Autor desconhecido)

Obs:Tem selinho aqui prá voce, pegue o seu......Beijos!!