Ânsia

Há pequenas coisas que atiçam o amor
Que nos dão um grande desejo de amar
Uma enorme ânsia de sofrer...


Amantes

Vem!
Vem comigo
Cansados de Amor
Mergulhemos juntos na noite
no silêncio dos Amantes
Amor Amor Amor
Repete comigo
as palavras que nos dão paz...


®Pôesia do Mundo

A minha foto
Le Vésinet, Yvelines, France
É impossível não se dizer ( no mínimo de letras ) e, ao mesmo tempo, em que não se pode tudo dizer ( no máximo de palavras ). Falar demais: È escancarar detalhes insignificantes da vida doméstica. A minha vida sustenta-se no diário de algumas palavras: Trabalho, Respeito, Ternura, Amizade, Saudades, Amor. PEQUENOS VALORES Viver é acreditar no nascer e no pôr-do-sol É ter esperança de que o amanhã será sempre o melhor É renascer a cada dia É aprender a crescer a cada momento É acreditar no amor É inventar a própria vida... No decorrer desta vida, o prazer, a alegria, a tristeza,a dor, o amor, desfilam em nossa alma e em nosso coração deixando diferentes marcas. São essas marcas combinadas que formam a riqueza da nossa caminhada. Um caminho onde o mais importante não é chegar e sim caminhar. Valorize todos os detalhes, todas as subidas e descidas, as pedras, as curvas, o silêncio, a brisa e as montanhas deste seu caminho, para que você possa dizer de cabeça erguida, no futuro: Cresci Chorei Sorri Caí Levantei Aprendi Amei Fui Amado Perdi Venci Vivi E, principalmente, sou uma pessoa feliz!




quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A Bem Amada no Mar



A Bem Amada no Mar



A Bem Amada no Mar

Alva gaivota hesitante
a bem-amada insinua
ao dorso de um mar sem ilhas
seu corpo de garça nua.

Suas mãos voam como pássaros
de fina garra escarlata.

No búzio de sua orelha
ressoam segredos de água.

A bem-amada se esconde
atrás de fortins de espuma.

De cem espelhos truncados
sobem reflexos de lua,

E o mar, como um polvo, aperta
sua cintura delgada.

Já as estrelas desfalecem
nos olhos da bem-amada.

Já os seus seios afloram
como "ice-bergs" na bruma.

E um batel de algas negras
entre suas coxa flutua...

Já os seus cabelos se soltam
como sargaços errantes.

Já em suas mãos embaraça
o galopar de hipocampos.

E quando morrer a lua
e o sol afagar seu rosto
as andorinhas do mar
virão noivar em seu corpo.



Domingos Carvalho da Silva

1 comentário:

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

Lindo e sensual como sempre...um poema lindo.

deixo um beijinho e desejo que tudo esteja a correr bem.

Sonhadora