Ânsia

Há pequenas coisas que atiçam o amor
Que nos dão um grande desejo de amar
Uma enorme ânsia de sofrer...


Amantes

Vem!
Vem comigo
Cansados de Amor
Mergulhemos juntos na noite
no silêncio dos Amantes
Amor Amor Amor
Repete comigo
as palavras que nos dão paz...


®Pôesia do Mundo

A minha foto
Le Vésinet, Yvelines, France
É impossível não se dizer ( no mínimo de letras ) e, ao mesmo tempo, em que não se pode tudo dizer ( no máximo de palavras ). Falar demais: È escancarar detalhes insignificantes da vida doméstica. A minha vida sustenta-se no diário de algumas palavras: Trabalho, Respeito, Ternura, Amizade, Saudades, Amor. PEQUENOS VALORES Viver é acreditar no nascer e no pôr-do-sol É ter esperança de que o amanhã será sempre o melhor É renascer a cada dia É aprender a crescer a cada momento É acreditar no amor É inventar a própria vida... No decorrer desta vida, o prazer, a alegria, a tristeza,a dor, o amor, desfilam em nossa alma e em nosso coração deixando diferentes marcas. São essas marcas combinadas que formam a riqueza da nossa caminhada. Um caminho onde o mais importante não é chegar e sim caminhar. Valorize todos os detalhes, todas as subidas e descidas, as pedras, as curvas, o silêncio, a brisa e as montanhas deste seu caminho, para que você possa dizer de cabeça erguida, no futuro: Cresci Chorei Sorri Caí Levantei Aprendi Amei Fui Amado Perdi Venci Vivi E, principalmente, sou uma pessoa feliz!




sábado, 13 de março de 2010

Matando


Matando


Matando
Eu passional
Eu criando
Você, você, eu mal
Consigo assistir

Eu desenhando
Aula, aula, preciso fugir
Que saco, eu desenho
Seu corpo, eu tenho
Que sentir

Paixão!
Criação!

Seu beijo em meu pescoço
Uma mordida
Meus lábios
Seduzida
Delirando
Tão sábios
Sabem, os seus, me fazem
Eu gozando

Aula chata!
Não acaba, não mata
Minha fome de você

Amo, minha fome
É o desejo que me consome
E preciso fugir Matar
Aula e me alimentar
Porque já estou quase desmaiando
De fome, imaginando...

Ao leite ou derretido
Com passas ou crocante
Puro ou pervertido
Com recheio

É excitante
Eu saboreio
Te mordo
E meu corpo todo
Lambuzada

Chocolate
Fina arte
Transformada
Misturada
Ao sabor supremo
Meu chocolate

Meu veneno
Você é arte
Só você extermina
Minha melancolia
Você, serotonina
Que me vicia



Liz Christine

5 comentários:

Felina Mulher disse...

mo, minha fome
É o desejo que me consome
E preciso fugir Matar
Aula e me alimentar
Porque já estou quase desmaiando
De fome, imaginando...

Delicioso poema.....arrancou suspiros!

Um lindo sábado anjo querido, saudades de vc!

beijinhos.

Fatima disse...

Ótimo final de semana para vc!
bjs.

Rosemildo Sales Furtado disse...

...Seu beijo em meu pescoço
Uma mordida
Meus lábios
Seduzida
Delirando
Tão sábios
Sabem, os seus, me fazem
Eu gozando...

Que bela estudante a Liz Christine. Que tal convidá-la para estudar juntos e fazer um trabalho em grupo. Rsrs.

Belo poema meu caro António, muito forte. Maravilha!

Abraços e um ótimo final de semana pra ti e para os teus.

Furtado.

MARIA L. BÓZOLI disse...

Ká estou a passar prá lhe desejar um Domingo de muita paz e carinhos meus.

Beijos no coração M@ria

. intemporal . disse...

.

. bel.íssimo .

. todo . de dentro .

. vertiginosa.mente aglutinador .

. quase bélico a ser carne .

.

. um abraço, .

.

. paulo .

.